Mãe e madrasta de Rhuan Maycon recebem duro castigo

A morte do menino Rhuan Maycon da Silva Castro, de nove anos, chegou o país. Ele foi assassinado pela mãe, Rosana Auri da Silva Cândido, e pela madrasta, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno.

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios denunciou as duas por cinco crimes: fraude processual, ocultação e obstrução do cadáver, tortura, lesão corporal gravíssima e homicídio qualificado.

As denuncias foram acatadas em sua totalidade e o Ministério Público entendeu que, por já terem confessado o crime, as duas tinham planejado o assassinato da criança, assim como o fim que dariam ao corpo do menino.

Rhuan Maycon teve uma morte cruel

Um ano antes do assassinado, as mulheres arrancaram o pênis de Rhuan Maycon. Ele vivia em cárcere e não podia ir à escola.

Após matarem o menino enquanto dormia, as mulheres esquartejaram o corpo e limparam a cena do crime. Para dificultar as investigações, elas queimaram partes do corpo de Rhuan em uma churrasqueira e jogaram em uma vala da cidade.

Na casa, foram encontrados outras partes do menino em uma mochila, que seria descartada em outra oportunidade.